Arquivo da categoria: Dicas de Livros

O Reencontro – Fred Uhlman

‘O reencontro’ é uma história de uma devoção intensa e inocente entre dois jovens amigos que crescem juntos no interior da Alemanha e são separados pela ascensão do nazismo. Para a família de Hans Schwarz, judeu, a perseguição é temporária, passará como ‘uma doença’. Na cômoda da mãe de Konrandin von Hohenfels, seu aristocrático amigo alemão, o retrato de Hitler tem lugar de destaque. Àquela altura da vida para eles o Holocausto era impensável. Escrito em 1960, não é um livro autobiográfico, embora contenha elementos de vida do autor.

Indicação de minha excelentíssima Amiga Janiele Camelo

Por: Samara Oliveira

Anúncios

Lilás – Mary E. Whitcomb

Lilás é diferente. Em vez de bonecas que falam e choram, ela leva uma planta estranha para mostrar aos colegas. Ela ganha o campeonato de desenho usando apenas oito lápis de cor. E adora colecionar pedras. Até seu nome é diferente: Lilás! E por isso ninguém a chama para brincar ou passear depois das aulas. Ninguém quer ser diferente de Lilás.

Mas, conforme o tempo passa, as coisas que Lilás faz e diz começam a fazer sentido; no fim, seus amigos descobrem que ela, na verdade, não é tão diferente assim.

Perfeita para roda de leitura ou para a hora de dormir, esta doce história sobre uma menina diferente relembra  que ás vezes a amizade pode ser encontrada onde menos se esperam.

 

A Paixão de Conhecer o Mundo – Madalena Freire

Neste livro Madalena Freire relata suas descobertas na Escola Criarte ( Escola da Vila – São Paulo ). Nele, Madalena ensina crianças – e aprende com elas – a conhecer o mundo com paixão.

Nele a autora, nos mostra que o conhecimento é construído tanto pelas crianças como pelos professores. Este é, sem dúvida um aspecto fascinante desta experiência: dar aula não é uma coisa chata! Aquela tradicional relação em que o professor é  pessoa que já aprendeu tudo e agora só ensina, foi posta de lado dando lugar a um só trabalho criativo e cheio de vida.

Foi a partir do momento referido em seus relatórios que ela começou a embrenhar-se, junto com as crianças, num fluxo de inquietações e busca. Começou a viver desde aí o processo educativo como um todo, inquieto, curioso, vital e apaixonado.

“É por isso que hoje publico estes relatos, este meu sonho, possível e apaixonado.”

Madalena Freire